Av. Rio Branco, 100/19º andar
Rio de Janeiro, RJ 20040-070

(21) 3090-0961 | (21) 2157-0773
contato@felizardo.com

  • Dr. Luiz F. Barroso

O papel, a sobrevivência e o privilégio das lideranças políticas

A atual conjuntura política em que a oposição culpa o governo por fraude eleitoral, levou-nos a uma série de reflexões, as quais gostaríamos de compartilhar com o leitor, pois cremos que o  excesso de privilégios nos quais se arvoram os parlamentares, está na raiz de toda a crise. Em direito público, como o sabemos, as forças políticas podem ser coletivas e individuais, representadas estas últimas pelo líder político social ou religioso. As forças coletivas, de seu lado, podem ser classificadas como orgânicas e inorgânicas; dentre as primeiras, encontramos os partidos políticos e as forças politizadas sociais, representadas pelos grupos de pressão, pela mídia; bem como pelas as estatais, como a tecnoburocracia e as forças armadas. Quanto às forças inorgânicas, temos a opinião pública, aliás, largamente utilizada pela classe política, da qual queremos tratar. No poder – seja em que país for – há sempre uma classe política predominante, que se constitui em uma elite; grupo, mais ou menos fechado, que maneja o poder e que possui características bem definidas, tanto no plano espiritual, como no plano social e, é claro, no plano político propriamente dito.

Esta elite se considera privilegiada e a própria sociedade a aceita como tal; o que lhe tem garantido força total e uma estabilidade sem par, bem como uma boa dose de impunibilidade quanto aos seus excessos.

As formas de governo podem mudar, não importa. As classes políticas em todo o mundo, sempre se adaptarão a qualquer regime político, democrático ou não, porque é ela que sempre manda, e, embora seja uma minoria, jamais sucumbe. Seus integrantes estão sempre por cima, liderando partidos políticos, que manejam à sua vontade, ou então, criando novos ao se redor; se tanto for necessário à consecução de seus objetivos exclusivistas. Em verdade as lideranças políticas, adaptam-se às modificações que lhes são impostas pelos fatos, e, seja qual for o regime - salvo quando em jogo os seus princípios - procuram influenciar os acontecimentos, ora no poder, ora na oposição. Os privilégios desta classe política chegam a nos fazer pensar se não existiria um sistema político melhor do que o nosso. Por mais que pensemos – à luz do exemplo de outros países que já o adotaram, na santa ilusão de se darem bem –  não conseguimos encontrá-lo, pois todos  fracassaram em sua escolha. Por pior que seja – de tempos em tempos - o melhor regime ainda é o democrático, com a repartição dos poderes da República entre o Executivo, Judiciário e Legislativo; todos independentes, porém harmônicos entre si. Há quem afirme que a democracia não é para quem a quer e sim para quem possa realmente adotá-la, em todo o seu esplendor, ou seja,  para quem já atingiu um certo grau de maturidade cívica. O exercício do processo democrático é, mal comparando, como andar de bicicleta. Não se apreende sem antes levar vários tombos. A Democracia Brasileira estaria assim, ainda na fase de sua aprendizagem e os “tombos” seriam as crises pelas quais vivemos passando. O dilema é, até quando? Em que século aprenderemos, afinal, a pedalar nossa “bicicleta democrática”, sem cair de cima dela a todo instante